Estratégias de captação de recursos do Observatório Social de Sorriso- Mato Grosso, Brasil

Contenido principal del artículo

Autores

Elizangela Matos Costa https://orcid.org/0000-0003-0106-0534
Adriana Santos Caparróz-Carvalho https://orcid.org/0000-0003-4085-2606
Michele Jackeline Andressa Rosa https://orcid.org/0000-0002-7019-204X
Renato Neder https://orcid.org/0000-0001-8929-1972
Sandro Ribeiro da Costa https://orcid.org/0000-0002-0278-5214

Resumen

Esta investigación tuvo como objetivo identificar las estrategias de captación de recursos financieros del Observatorio Social de Sorriso (OSS-MT), de Mato Grosso, Brasil, durante el período de 2010 a 2015. 


Este estudio se caracteriza por un abordaje cualitativo, de carácter exploratorio y de estudio de caso. Para la recolección de datos se realizaron entrevistas semiestructuradas, que contaban con un total de seis preguntas abiertas y cuatro cerradas. Estas entrevistas fueron practicadas a los tres gestores que estuvieron a cargo en el periodo de 2010 a 2015 y luego se empleó el análisis de contenido. 


Los resultados permiten identificar que la institución es poco conocida en virtud de la baja divulgación, lo que puede constituirse como obstáculo para la captación de recursos. Los resultados demuestran además que en los tres periodos de gestión se aplicaron, en general, las mismas estrategias de captación de recursos: visitas a las empresas para la divulgación del trabajo; transparencia financiera para la sociedad; relación con donantes potenciales y participación en eventos y conferencias, y únicamente uno de los gestores se preocupó en adherirse a una nueva estrategia para captar recursos a corto plazo —venta de sellos—,  lo que indica la necesidad de profesionalización organizacional y el desarrollo de estrategias innovadoras para el logro de los objetivos y la viabilidad de los resultados.


Palabras clave: recursos financieros; captación de recursos financieros; estrategias captación de recursos; investigación; financiación de investigación; recursos para investigación; tercer sector; ONG.

Detalles del artículo

Referencias

Abong (2016). Associação Brasileira de Organizações Não Governamentais. Estatuto Social. Recuperado de https://bit.ly/2TuX4Nb

Adulis, D. (2009). O papel da comunicação na captação de recursos. Em Portal do Meio Ambiente.

Albuquerque, A. C. C. (2006). Terceiro setor: história e gestão de organizações. São Paulo, Brasil: Summus Editorial.

Alves, R. C. (2010). A Comunicação no Terceiro Setor: desafios para visibilidade de mercado. Pós em Revista, 2(1),1-20.

Andrade, M. G. V. D. (2002). Organizações do terceiro setor: estratégias para captação de recursos junto às empresas privadas. (Dissertação de Mestrado). Universidade Federal de Santa Catarina Florianópolis, Brasil. Recuperado de https://bit.ly/2YOn9gc

Bardin, L. (2006). Análise de conteúdo. Em Rego, L. A., y Pinheiro, A. (Edição revista e atualizada). Lisboa, Portugal: Edições 70.

Bastos, R. L. (2009). Ciências Humanas e complexidades: projetos, métodos e técnicas de pesquisa. O caos, a nova ciência. (2.ª ed.). Rio de Janeiro, Brasil: E-papers.

Brasil (1995). Lei nº 9.249, de 26 de dezembro de 1995: Altera a legislação do imposto de renda das pessoas jurídicas, bem como da contribuição social sobre o lucro líquido, e dá outras providências. Brasília, Brasil: Diário Oficial da República Federativa do Brasil.

Brigo, J. (2006). Plano de Marketing para a captação de recursos em uma organização sem fins lucrativos. (Trabalho de Graduação). Universidade federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, Brasil. Recuperado de https://bit.ly/2YMV9cL

Campagnac, V. (2006). As organizações não-governamentais (ONGs) e o mercado de trabalho. Em XV Encontro da Associação Brasileira de Estudos Populacionais. Caxambu, Brasil.

Cruz, C. M, y Estravis, M. (2000). Captação de Diferentes Recursos para Organizações sem Fins Lucrativos. São Paulo, Brasil: Global Editora.

Duarte, J. L. (2008). A funcionalidade do terceiro setor e das ONGs no capitalismo contemporâneo: o debate sobre sociedade civil e função social. Revista Libertas, 8(1), 50-72.

Fillos, M. F., Bednarchuk, J. Z., Zen P. D., Nadal K., y Burak, D. (2012). Uma discussão sobre os aspectos metodológicos das investigações em modelagem matemática do XI Eprem. Em IX Seminário de Pesquisa em Educação da Região Sul - IX ANPED SUL. Caxias do Sul, Brasil. Recuperado de https://bit.ly/2MVs5Zw

Franco, J., Pereira, M. F., y Sartori, R. (2003). Captação de Recursos para o Terceiro Setor: um estudo na cidade de Maringá-PR. Em XXVII EnANPAD-Encontro da Associação Nacional de Programas de Pós-graduação em Administração. Atibaia, Brasil. Recuperado de https://bit.ly/2MnA2Y7

Freller, M., y Junqueira L. A. P. (2013). Ferramentas Inovadoras para a Mobilização de Recursos no Terceiro Setor. Diálogos Interdisciplinares, 2(3), 76-104.

Godoy, A. S. (1995). Pesquisa Qualitativa: Tipos fundamentais. Revista de Administração de empresas, 35(3), 20-29. DOI: https://doi.org/10.1590/S0034-75901995000300004

Gross, A. C. (2011). Planejamento e Gestão do Terceiro Setor: O caso da Associação de Pais e Amigos dos Excepcionais (APAE) de Ijuí-Rs. (Trabalho de Graduação). Universidade Regional do Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul, Ijuí, Brasil. Recuperado de https://bit.ly/2MfasUT

Kotler, P., y Armstrong, G. (2008). Princípios de Marketing. (12.ª ed.). Rio de Janeiro, Brasil: Prentice Hall.

Mintzberg, H., Lampel, J., Quinn, J, B., y Ghoshal, S. (2006). O processo da estratégia: conceitos, contextos e casos selecionados. (4.ª ed.). Porto Alegre, Brasil: Editora Bookman.

Mintzberg, H., Lampel, J., Quinn, J, B., y Ghoshal, S. (2000). Safári de Estratégia: Um roteiro pela selva do planejamento estratégico. Porto Alegre, Brasil: Editora Bookman.

Montaño, C. (2002). Terceiro setor e questão social: crítica ao padrão emergente de intervenção social. São Paulo, Brasil: Cortez Editora.

OSB (2015). Observatório Social do Brasil. Diretriz Institucional. Recuperado de https://bit.ly/2NbmZIT

OSS (2015). Observatório Social de Sorriso. Histórico Institucional.

Oliveira, S. B. (2005). Ação Social e Terceiro Setor no Brasil. (Dissertação de Mestrado). Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, Brasil.

Porter, M. E. (1996). What is strategy? Harvard Business Review, 74(6), 61-78.

Riffel, C. M., y Klann D. A. (2008). O Papel da comunicação para a captação de recursos nas ONGs: reflexões a partir de uma pesquisa de campo. Em IX Congresso de Ciências da Comunicação na Região Sul. Guarapuava, Brasil. Recuperado de https://bit.ly/2YQYXKg

Sebrae (2009). Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas. Organização da Sociedade Civil de Interesse Público. Recuperado de https://bit.ly/33u6Xzi

Silva A. H., y Fossá M. I. T. (2015). Análise de conteúdo: exemplo de aplicação da técnica para análise de dados qualitativos. Qualitas-Revista Eletrônica, 16(1), 1-14. DOI: https://doi.org/10.18391/req.v17i1.2963

Speak, A., McBride, B., y Sshipley, K. (2002). Captação de Recursos: Da teoria à prática. Em Manual desenvolvido pelo Projeto GETS/UWC-CC-Oficinas de Desenvolvimento e Captação de Recursos do Projeto Gets-United Way do Canadá, Curitiba, Brasil. Recuperado de https://bit.ly/2Y07Xaw

Tenório, F. G. (2002). Gestão de ONGs: principais funções gerenciais. (6.ª ed.). Rio de Janeiro, Brasil: Editora FGV.

Tenório, F. G. (2008). Gestão comunitária: uma abordagem prática. Rio de Janeiro, Brasil: Editora FVG.

Tenório, F. G. (2010). Gestão de ONGs: principais funções gerenciais. (11.ª ed.). Rio de Janeiro, Brasil: Editora FGV.

Trigueiro, F. M. C., y Marques, N. D. A. (2009). Teoria da Administração. Florianópolis, Brasil: CAPES-UAB.

Triviños, A. N. S. (1987). Introdução à pesquisa em ciências sociais: A pesquisa qualitativa em educação. São Paulo, Brasil: Editora Atlas.

Yin, R. K. (2005). Estudo de Casos: Planejamento e Métodos. São Paulo, Brasil: Editora Bookman.

Descargas

La descarga de datos todavía no está disponible.